O uso da tecnologia combinado a outras mudanças na sociedade vinham transformando, de maneira natural, os nossos padrões de consumo. Nos últimos meses, em meio a pandemia do novo coronavírus, a inovação do varejo tem possibilitado manter as experiências de compras dos clientes vivas. Mais do que um quesito de diferenciação, a tecnologia é o que tem mantido negócios funcionando. Com isso, as inovações foram radicalmente aceleradas e muito se fala nos impactos nos hábitos de consumo que essas mudanças irão deixar.

Neste artigo, trouxemos quais são e como funcionam as principais tendências de mercado e os efeitos do coronavírus sobre elas. Confira!

Qual a importância de investir em inovação do varejo?

Inovar é uma necessidade! Agora, muitas compras são realizadas por meio de smartphones, diversas lojas implementara self-checkouts em substituição aos tradicionais caixas de cobrança e a apresentação de produtos aos shoppers já não está limitada à prateleiras bem iluminadas. Para converter vendas é necessário ultrapassar o convencional, capturar o desejo do cliente e oferecer experiências interativas.

Por esses e outros motivos, as empresas que estão trabalhando esses pontos estão mais perto de garantir prosperidade futura. Segundo as informações divulgadas pela Bain & Company, organização referência em consultorias de bens de consumo, as perspectivas são positivas! O valor de mercado de empreendimentos que apostam em estratégias inovadoras cresceu significativamente.

Para além do momento atual, o varejo investe mais em inovação por alguns outros motivos. Acompanhe:

  • aumento da agilidade nas operações;
  • qualidade e praticidade no atendimento ao cliente;
  • otimização dos processos operacionais;
  • ampliação da interatividade com o consumidor;
  • melhoria na apresentação de produtos e serviços;
  • redução do investimento em capital humano;
  • marketing direcionado;
  • competitividade positiva;
  • alta conversão de vendas.

Quais são as tendências para inovar no varejo?

A inovação do varejo pode ser realizada de múltiplas formas. Comumente, elas se diferenciam quanto aos objetivos, tecnologias empregadas e valores dos investimentos, por exemplo. Veja quais são as principais tendências de mercado!

1. Experiência omnichannel

Quanto mais eficiente e consistente for a presença da empresa, melhor! As estratégias omnichannel (multicanal) visam superar os desafios do varejo, aperfeiçoar as experiências dos usuários, qualificar o relacionamento com o público, melhorar a jornada de compras e estabelecer múltiplos pontos de interação entre a marca e as pessoas.

Ou seja, ela oferece para o cliente uma experiência fluida entre a loja física e a virtual. Com isso, ocorre a aproximação do cliente com a marca e um incremento nas vendas, tanto digitais quanto físicas. O consumidor pode fazer compras, solicitar notas ou entrar em contato com a empresa a qualquer momento, utilizando computadores, tablets e smartphones. Um bom exemplo é a utilização das redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter) para o atendimento ao cliente.

Especialistas apontam esta como uma das grandes mudanças em um mundo pós-coronavírus: a diminuição da barreira entre o mundo online e físico. Isso significa uma jornada de compra que alterne entre o on e off de maneira ainda mais integrada e complementar.

2. Inteligência Artificial

Todas as operações da empresa são baseadas em números, fórmulas e outros tipos de comandos, correto? Uma das maneiras de realizar a inovação do varejo é utilizar a inteligência artificial (IA) para ler, filtrar, analisar e processar os dados. Dessa forma, eles podem ser convertidos em informações úteis ao desenvolvimento do negócio.

A ideia é fechar os gargalos e tornar os processos eficientes e automatizados. Exemplos não faltam. Hoje em dia, a IA pode ser utilizada no controle de estoque, predição de demandas, redução de ruptura e identificação de volume ideal de mercadorias. Com tudo isso, a inteligência artificial é uma transformação digital no varejo de grande relevância.

3. Realidade aumentada

Sabe aquelas projeções no ambiente que eram muito utilizadas nos filmes de ficção científica e nos seriados criminais? Elas já estão no varejo. A realidade aumentada (RA) combina elementos do mundo virtual e real para fornecer às pessoas informações sobre produtos e serviços.

O seu funcionamento acontece por meio de dispositivos (smartphones e tablets, por exemplo) integrados à softwares que fazem a leitura de códigos ou imagens. Uma vez lidos, as informações programadas são projetadas no ambiente físico de modo integrado.

Com a realidade aumentada é possível criar conteúdos interativos e exclusivos, demonstrar virtualmente produtos de e-commerce na casa do seu cliente, além de outras aplicações como as etiquetas e embalagens escaneáveis, a vitrine virtual e o espelho interativo. Entretanto, vale lembrar que realidade aumentada não é o mesmo que realidade virtual. A primeira amplia o mundo que conhecemos em tempo real. Já a segunda cria simulações e novas situações utilizando apenas componentes virtuais.

4. Experiência personalizada

Para atrair, conquistar e fidelizar o público é indispensável criar diferenciais. Por esse motivo, a experiência personalizada está entre as principais inovações do varejo, já que todas as suas estratégias passam a focar as pessoas e não mais os produtos. A ideia é atrair atenção, criar vínculos e situações de exclusividade cada vez mais criativas, mesmo no online onde a concorrência é muito maior neste sentido.

Para isso, o estabelecimento deve conhecer o perfil do público-alvo e coletar os dados indispensáveis à formulação de novas estratégias. Atividades como o envio de mensagens personalizadas (e-mail e whatsapp), novas formatações na exibição dos produtos, promoções e divulgações individualizadas e consultorias personalizadas já fazem parte de alguns comércios.

Outra forma de promover a personalização é inserir a empresa na comunidade. Ou seja, o seu estabelecimento deve ser mais que um endereço. Durante o isolamento social, 40% dos consumidores afirmam que fizeram mais compras em comércios locais, segundo pesquisas do Google. Aproveite disso para que o seu negócio se torne uma referência e cada vez mais passe a fazer parte do cotidiano das pessoas que residem ou frequentam a sua região.

5. Sistema de Gestão (ERP)

Certamente, inovação do varejo é sinônimo de um bom sistema integrado de gestão empresarial (Enterprise Resource Planning – ERP). Investir neste tipo de software rompe o paradigma da fragmentação dos setores do negócio, ou seja, todas as informações passam a funcionar de maneira centralizada e integrada, o que auxilia na otimização dos processos, redução do retrabalho e favorece a tomada de decisões baseadas em dados confiáveis (relatórios, indicadores de desempenho, balanços etc.).

Observe algumas das principais vantagens:

  • controle de estoque eficiente;
  • acesso instantâneo e facilitado às informações;
  • monitoramento e controle dos orçamentos, lucros e despesas;
  • controle tributário eficiente;
  • eliminação do uso de múltiplas ferramentas ou controles manuais;
  • redução do tempo dos processos de gestão;
  • rapidez de resposta ao mercado;
  • uso acertado do capital de giro.

Essas são algumas das principais tendências de mercado. Ao acompanhá-las você aumentará consideravelmente o desempenho do seu negócio e sua marca irá se consolidar como uma referência para o público. As estratégias, tecnologias e ideias inovadoras podem ser implementadas em etapas ou simultaneamente, apesar de muitas terem sido executadas as pressas durante a pandemia. Por isso, além de um plano de ação, é importante contar com auxílio de empresas especializadas, como as fábricas de softwares.

Se este conteúdo foi útil pra você, assine nossa Newsletter para receber mais conteúdos como esse diretamente na sua caixa de e-mails!

Compartilhar