Pesquisar
Close this search box.
Como diminuir a perda de alimentos perecíveis?

Como diminuir a perda de alimentos perecíveis?

Quem decide empreender no ramo de supermercados sabe que o cotidiano reserva grandes responsabilidades e a rotina pode ser bem exaustiva. O controle do estoque dos alimentos perecíveis, em especial, é um dos principais desafios.

Afinal, como evitar que esses itens se percam no estoque ou nas gôndolas? Como você sabe, para que o negócio conquiste clientes, tenha uma boa reputação no mercado e ainda cumpra com as normas da vigilância sanitária, é importante ficar atento a essa questão.

Não sabe o que fazer? Não se preocupe! Na sequência, você conhecerá as melhores práticas para manter os produtos perecíveis preservados. Acompanhe!

O que são alimentos perecíveis?

É muito claro que, em um supermercado, encontramos alimentos perecíveis e não perecíveis. Mas, será que você sabe diferenciá-los corretamente?

Perecível significa “que dura pouco”. Portanto, esses são os alimentos que apresentam validade reduzida e exigem cuidados e controles especiais. Em geral, esses produtos têm características que favorecem a proliferação de microrganismos, o que faz com que eles se tornem impróprios para o consumo em um espaço curto de tempo. Vejamos alguns exemplos:

  • leite e derivados;
  • ovos;
  • carnes bovinas, suínas e de aves;
  • peixes e frutos do mar;
  • frutas;
  • legumes;
  • verduras;
  • frios: presunto, queijo, salsicha, entre outros.

Como evitar a perda desses produtos perecíveis?

Perder produtos em estoque é um grave problema para o supermercado. Afinal, isso representa prejuízos financeiros e não é nada sustentável.

Quando falamos em alimentos perecíveis, é preciso ter atenção redobrada. E se você acredita que apenas o controle das datas de validade é suficiente, acaba de cometer o seu primeiro erro na gestão de alimentos, pois existem diversas tarefas fundamentais a serem executadas.

A boa notícia é que selecionamos as melhores práticas para este post. Confira!

Faça um bom estudo de mercado

O primeiro passo para evitar que os produtos perecíveis sejam perdidos no mercado é justamente entender o que você precisa garantir no seu estoque. Isso pode ser feito de duas maneiras:

  • observando a saída dos produtos;
  • pesquisando o que os seus consumidores desejam ver nas prateleiras do seu estabelecimento.

A primeira maneira só pode gerar dados após um certo tempo de funcionamento e, até lá, muitas perdas desnecessárias podem ser evitadas. Então, o indicado é fazer uma pesquisa e descobrir quais itens são essenciais para a loja.

Essa pesquisa pode ser conduzida tanto presencialmente quanto pelas redes sociais, ou até mesmo de forma combinada. Com ela, você terá uma ideia do que comprar para revender!

Utilize dados para melhorar os pedidos e prevenir perdas

Agora, sim, falaremos sobre os dados que podem ser utilizados para melhorar toda a questão da compra de produtos. Após a pesquisa inicial, você pode passar a observar quais itens têm mais saída, assim como quais ficam mais tempo em estoque e, consequentemente, chegam perto de estragar.

A partir daí, fica fácil criar uma estratégia de compra com base nas necessidades e demandas dos seus clientes. O produto X não sai tanto quanto o Y? Peça quantidades menores!

Lembrando que, mesmo assim, é importante incorporar novidades ao seu mix de produtos e continuar testando a preferência da clientela. Assim, ela se sentirá sempre satisfeita e você poderá organizar compras de maneira muito mais eficiente.

Fique atento à limpeza do ambiente

Ter um supermercado sujo não é nada positivo para a imagem do negócio, tampouco para as vendas. Mas isso não é tudo, já que a falta de limpeza também afeta a durabilidade dos produtos perecíveis.

Devido às características especiais que apresentam, esses alimentos são cobiçados por insetos e roedores. Assim, para evitar que eles se proliferem e consumam suas mercadorias, é preciso investir na higienização do ambiente.

É importante destacar que esse procedimento deve ser realizado em todos os locais do supermercado, inclusive no estoque. Manter limpo apenas o espaço pelo qual o cliente circula não traz bons resultados e expõe a empresa a sérios riscos, como o de interdição.

Controle a temperatura dos alimentos

Alguns alimentos, como carnes e frios, precisam receber refrigeração constante. Muitos supermercados até possuem câmaras frias e refrigeradores, mas se esquecem de controlar a temperatura nesses aparelhos.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem uma norma específica sobre o tema: a RDC nº 216. Ela determina que produtos alimentícios, in natura, semipreparados ou preparados para o consumo sejam armazenados em temperatura adequada e que esse controle seja registrado em planilha com data e identificação do funcionário responsável.

Portanto, além de reduzir as perdas em seu supermercado, trata-se de um cuidado obrigatório e que ajuda sua empresa a operar longe de multas e problemas com a fiscalização.

Conheça as características de cada produto

Produtos perecíveis não são todos iguais. Cada uma das mercadorias tem características distintas. Isso, naturalmente, demanda cuidados diferenciados, como:

  • os congelados precisam ser mantidos a uma temperatura inferior a 12 °C;
  • os resfriados devem ser mantidos por volta dos 5 °C;
  • os secos, como os ovos, não podem ser expostos ao sol e precisam de ventilação;

Diante disso, é imprescindível que você compreenda essas particularidades e tenha um plano de armazenagem e controle para cada tipo de produto perecível. Afinal, nenhum detalhe pode ser esquecido.

Crie fichas técnicas

A falta de padronização das técnicas e de boas práticas de acondicionamento é uma das principais causas de perda. Uma boa gestão, entretanto, pode facilmente resolver esse problema. A partir do levantamento feito acima, procure saber quais são as demandas de cada produto/categoria em relação aos seguintes aspectos:

  • armazenamento;
  • empilhamento;
  • exposição ao sol ou à atmosfera;
  • transporte;
  • temperatura;
  • umidade;
  • manipulação física;
  • demais riscos.

Com isso, desenhe um processo que se inicia na entrega do produto pelo fornecedor, passa pelo controle de qualidade da remessa e termina na saída no caixa.

É preciso fazer isso da forma mais individualizada possível, pois, mesmo dentro de uma mesma categoria, existem diferenças conforme o produto. Por exemplo, as carnes embaladas a vácuo são mais resistentes ao perecimento, enquanto as expostas no açougue são extremamente sensíveis a vários tipos de danos, como ressecamentos e alteração da cor.

Mantenha o estoque e as gôndolas organizados

Uma das situações que mais contribui para a perda de estoque é a falta de organização dele e das gôndolas. Isso ocorre porque, em muitos casos, o funcionário e o cliente não conseguem localizar os produtos certos.

O ideal é que todos os lotes tenham um registro sobre a data de validade. Assim, sempre que você for fazer a reposição nas prateleiras, procure adicionar os itens com data de vencimento mais próxima.

Além disso, é interessante dividir o local por setores. Alimentos não podem ser armazenados próximos de produtos químicos e de limpeza, já que isso favorece a contaminação.

Tenha uma gestão de compras eficiente

A gestão de compras é mais uma boa prática que ajuda a reduzir as perdas de produtos perecíveis no negócio.

Quando você consegue desenvolver boas negociações com os fornecedores e adota um método eficiente para a gestão de estoque, fica mais fácil comprar produtos de acordo com a demanda do consumidor. Ou seja, você adquire a quantidade ideal de produtos, não ocorrendo excesso ou falta de mercadorias no estoque.

Invista em segurança

Os produtos perecíveis, apesar de não serem o principal foco de furtos em supermercados, ainda precisam ser protegidos. O maior problema aqui é o consumo dentro das instalações, especialmente de líquidos. Por isso, deixe sempre avisos proibindo o consumo nos corredores e mantenha câmeras no setor.

Caso um colaborador veja isso acontecer, ele deverá alertar a pessoa da forma mais educada possível e indicar o pagamento no caixa. Em associação a isso, tome as medidas gerais de segurança para prevenção de furtos, como a instalação de sensores e alarmes sonoros e o controle de estoque automatizado.

Tome cuidado com o manuseio

Nos supermercados, os erros e o excesso de manipulação podem prejudicar bastante a durabilidade dos alimentos em estoque ou nas prateleiras. Afinal, estamos falando de produtos cuja embalagem pode ser mais frágil, temperatura de mantimento deve ser mais baixa e há possibilidade de contaminação.

Desse modo, o manuseio deve ser cuidadoso:

  • todos os EPIs deverão ser utilizados sempre e de forma correta. Garanta o treinamento e a atualização constante nesse sentido;
  • no caso de alimentos frios ou congelados, os colaboradores devem utilizar luvas de plástico durante o processo, tanto para proteção individual quanto para conservação do produto. A pele humana tem uma temperatura que pode prejudicar alguns alimentos se eles forem manipulados excessivamente;
  • as embalagens plásticas, às vezes, são muito frágeis e não resistem bem ao estresse mecânico, podendo furar, rasgar e amassar. Mesmo que elas não comprometam a qualidade dos produtos, isso os deixa indesejáveis para os clientes.

Treine os colaboradores

Os colaboradores serão os principais parceiros para evitar perdas. Eles precisam ser treinados de forma intensa para conhecer todas as medidas essenciais, como as características dos produtos e suas fichas técnicas. Além disso, eles devem:

  • seguir todos os processos padronizados;
  • saber como reconhecer alimentos em risco de perda;
  • manipular os ERPs de controle de produtos;
  • identificar equipamentos com mau funcionamento;
  • adquirir outros conhecimentos e habilidades necessários.

O treinamento, por sinal, é algo essencial para o funcionamento do seu mercado no geral. É fundamental que os envolvidos falem a mesma língua em todos os sentidos. Assim, o trabalho será muito mais eficiente e rápido!

Faça a manutenção dos equipamentos

Mais uma medida muito importante é a manutenção adequada dos equipamentos de refrigeração, resfriamento e controle de umidade. Ela deve ser feita tanto de forma preventiva quanto corretiva.

Para prevenção, é preciso seguir todas as indicações do fabricante em termos de inspeção técnica periódica, uso correto e substituição de peças. Assim, é possível reduzir a frequência de falhas e garantir que o equipamento funcione conforme o prometido pelo fabricante.

Um bom software para varejo apresenta ferramentas que vão ajudá-lo a se lembrar de cada ação necessária. Para isso, ele envia notificações para avisar, por exemplo, sobre a necessidade de agendar as manutenções preventivas.

Agora, na correção, ocorre a reparação de um eventual defeito, a qual deve ser feita de forma ágil e com a mão de obra especializada indicada pelo fabricante. Não vale a pena cortar custos contratando um serviço mais barato, pois normalmente são equipamentos caros e, caso danificados permanentemente no conserto, o prejuízo será ainda mais significativo.

Aproveite os benefícios da tecnologia

Outra dica de ouro é: aposte na implementação de tecnologia. Com o auxílio de um bom software para gestão de supermercados, todas as tarefas apresentadas poderão ser executadas com muito mais rapidez e segurança.

A automatização dessas ações é uma decisão inteligente, pois, além de minimizar erros comuns em atividades manuais, libera tempo na agenda do empresário e de seus gestores. Com isso, eles podem se dedicar a questões mais estratégicas para o crescimento do negócio.

Caso você já faça uso de um software, vale a pena avaliar se ele atende às suas necessidades e se contribui para melhorar a gestão das perdas, das vendas, do estoque e do relacionamento com o cliente.

O ideal é investir em uma solução pensada especificamente para o setor de supermercados. Assim, você terá tudo o que precisa para gerenciar sua empresa com simplicidade e eficiência.

Faça promoções

Viu que certos alimentos estão prestes a começar a estragar? Então, é hora de abaixar o preço e evitar que a perda do valor seja total.

No caso de frutas, legumes e outros vegetais, é possível fazer “bacias” ou “bandejas”, oferecendo um valor promocional ao consumidor que levá-los nesse modelo.

Outros produtos podem ter apenas um abatimento no valor ou até mesmo o bom e velho “pague 1, leve 2”. A queima de estoque, nesses momentos, é essencial para evitar um prejuízo completo.

Considere fazer doações para quem precisa

Por fim, há a possibilidade de fazer doações para instituições ou organizações que utilizam alimentos frescos e perecíveis em seu dia a dia.

Essa não é exatamente uma maneira de prevenir perdas, mas é uma forma interessante de fazer o bem e, de quebra, otimizar a imagem do seu estabelecimento em sua comunidade.

Lembrando que os alimentos doados devem estar em ótimas condições, certo?

Neste post, reunimos dicas importantes para qualquer supermercado. Como você viu, evitar a perda de produtos perecíveis é um desafio do cotidiano desses negócios, mas é possível reduzir o problema com atitudes básicas. Então, se você está vivenciando essa situação em sua empresa ou quer evitar que ela apareça, não deixe de colocar em prática tudo o que aprendeu aqui sobre o manuseio de alimentos perecíveis.

Gostou das nossas dicas? Que tal compartilhar este material em suas redes sociais? Dessa forma, você nos ajuda a divulgar as melhores práticas para uma boa gestão de supermercados!

Pesquise no blog da CISS
Pesquisar
Artigos recentes​
Inscreva-se

Quer receber dicas de gestão exclusivas gratuitamente?

Para saber mais sobre como a CISS coleta, utiliza, compartilha e protege seus dados pessoais, leia a Política de Privacidade da CISS.

Compartilhe:
Você poderá gostar também: