Gerir uma empresa familiar é um desafio e tanto, principalmente quando se pensa em tornar os processos mais eficientes. No Brasil, estima-se que cerca de 90% das empresas têm origem familiar. Esse tipo de empresa é também o que mais emprega e gera renda, sendo de fundamental importância para a economia do país.

Diante desse cenário, o assunto é de extrema relevância, não só do ponto de vista social, mas também de sustentabilidade do próprio negócio, já que uma gestão equivocada pode colocar em risco todo o empreendimento.

Para ajudar você a gerenciar uma empresa familiar de forma eficiente, preparamos este artigo com 8 dicas valiosas. Acompanhe!

1. Planeje-se com antecedência

Assim como acontece em qualquer negócio, ter uma visão de futuro é fundamental para antever demandas e fazer os ajustes necessários, a tempo de não comprometer os resultados esperados. Além disso, é mais uma segurança para que a troca de gerações seja feita da melhor maneira possível.

O planejamento das finanças também precisa estar incluído no plano de negócio, considerando os próximos anos. Com isso, a gestão da empresa consegue saber por onde começar e quais caminhos seguir.

Quando o gestor alinha o planejamento, principalmente já pensando em uma sucessão familiar, torna-se mais confortável resolver questões envolvendo conflitos relacionados a esse processo. Além disso, quando você tem cenários futuros definidos, fica tranquilo incentivar as pessoas da família a se qualificarem para gerenciar o negócio.

2. Realize um diagnóstico interno

Para que o planejamento seja realmente eficiente, ou seja, colocado em prática para trazer os resultados almejados pela empresa familiar, é fundamental fazer um diagnóstico interno. Para isso, é preciso verificar a situação atual da empresa, o que envolve saber como estão as finanças, a estrutura de logística e estoque, o número de funcionários e suas qualificações, entre outras questões.

Caso você queira, é possível contratar uma consultoria para ajudar nesse diagnóstico interno. Esse tipo de serviço auxilia a aumentar a precisão das informações, já que são profissionais especializados e que não serão influenciados na avaliação final, pois não estão envolvidos diretamente no negócio.

3. Defina bem os papéis

Um erro comum nas empresas familiares é os membros tomarem a frente de tudo ao mesmo tempo. Quando isso acontece, é comum os processos ficarem descontrolados, o que prejudica todo o planejamento da organização.

Nesse cenário, para conquistar os resultados almejados, de fato, é importante que existam objetivos bem claros e definidos. Cada membro da família deve ter seu papel na empresa, sabendo em qual hierarquia está e qual será o seu grau de comprometimento com cada situação.

Dessa forma, fica mais fácil estabelecer uma estratégia baseada no planejamento, em que cada um faz a sua parte. Havendo questões não previstas, fica mais fácil identificar, atribuir e corrigir o problema — como acontece nas empresas tradicionais.

4. Profissionalize a empresa

Com os papéis definidos, é hora de profissionalizar a empresa. Isso acontece porque, com o crescimento do negócio, é preciso contar com profissionais de fora, ou seja, pessoas com conhecimentos e habilidades que os membros da família não possuem.

Mesmo quando a família tem um bom grau de conhecimento em todas as áreas, a empresa é limitada em quantidade, o que proporciona vantagens e desvantagens.

Quando a gestão da empresa familiar abre espaço para a entrada de outros profissionais, ela ganha em competitividade e inovação, já que o isolamento afasta novas ideias — o que, ao longo dos anos, deixa o empreendimento sem perspectivas.

É preciso se atentar a alguns cuidados, já que membros da família podem se sentir ameaçados por um profissional vindo de fora, gerando conflitos e até mesmo adiando a tomada de algumas decisões.

5. Invista em qualificação

Se existem empresas familiares com pessoas qualificadas, o contrário também acontece. É preciso buscar qualificação para acompanhar o crescimento do negócio e não deixar totalmente a gestão nas mãos de terceiros.

Nesse cenário, é preciso se atentar às circunstâncias e fugir da conformidade dos parentes em sua situação atual, ou seja, gerir o negócio com base somente na intuição e/ou nas experiências práticas. Apesar de esses fatores serem valiosos, eles limitam a visão no longo prazo, o que pode, como vimos, comprometer o futuro do empreendimento.

6. Realize uma sucessão progressiva

Vimos que a sucessão das empresas familiares é um dos grandes desafios enfrentados por esse tipo de negócio. É importante que a sucessão seja progressiva, ou seja, que os membros da família sejam preparados e capacitados para estarem à frente do negócio.

Isso exige dedicação, participar dos processos, entender as essências das atividades empresariais e capacitação para exercer uma atividade como especialista.

Nesse sentido, definir a hierarquia é fundamental, pois todo mundo mandando em tudo expõe a empresa a vulnerabilidades, já que os processos internos podem ser prejudicados — o que impacta diretamente nas entregas para os clientes.

7. Invista em comunicação

Ter uma boa comunicação com os membros da família é fundamental para que cada um conheça o seu papel na empresa e possa exercer a sua função com mais eficiência. Além disso, é preciso ter clareza e objetividade em relação ao negócio, pois a profissionalização da gestão também passa por uma boa comunicação interna — que deve ser contínua e acertada entre os setores.

Dessa forma, é possível evitar desperdícios, diminuir os atritos e retrabalhos, além de outras questões, contribuindo para um ambiente laboral mais harmônico e produtivo.

8. Conte com soluções tecnológicas

Para preparar a empresa para o crescimento das atividades e para a sucessão familiar, é fundamental contar com uma boa ferramenta de gestão online. Com ela, você pode fazer o acompanhamento do faturamento do negócio, monitorar os dados da empresa em tempo real, integrar as áreas em um mesmo sistema, além de outras facilidades.

Dessa forma, além de profissionalizar os processos e ter dados mais confiáveis para a tomada de decisão, é possível otimizar o resultado do empreendimento, gerando mais lucros.

Viu como gerenciar uma empresa familiar de forma eficiente é possível? Você só precisa seguir essas dicas para manter o negócio competitivo no mercado, além de continuar aprendendo, pois isso faz toda a diferença para o crescimento da sua empresa.

Este artigo foi útil para você? Então, confira também esse artigo sobre inteligência empresarial!

Compartilhar