Você sabia que a falta de controle patrimonial é uma das principais causas de falência de empresas no Brasil?

Dados do Sebrae-SP indicam que negócios que acompanham rigorosamente suas despesas e receitas e que calculam os custos dos produtos tendem a sobreviver e se destacar no mercado.

Essa pesquisa também revela que organização e controle são essenciais para o desenvolvimento saudável de uma empresa. Mesmo com essa constatação, muitos empresários não dão a devida atenção à gestão empresarial e patrimonial e acabam falindo.

Para que você não caia nessa armadilha, preparamos este post. Acompanhe!

O que é controle patrimonial?

Buscar conhecimentos sobre o controle patrimonial é o primeiro passo para blindar sua empresa do fantasma da falência. Por isso, vamos iniciar o post falando um pouco sobre o conceito dessa técnica administrativa.

Em resumo, a ideia é realizar o levantamento de todo o patrimônio da empresa. Para isso, considera-se a existência de dois tipos de bens:

  • bens tangíveis — prédios, computadores, veículos e produtos em estoque;
  • bens intangíveis — patentes e franquias.

Perceba, portanto, que tudo envolve um maior controle sobre aquilo que se tem — daí a importância de se fazer um bom controle de despesas e vendas.

Na prática, você identifica e cataloga todo o seu patrimônio e, em seguida, verifica o valor atual de cada um dos bens. Dessa maneira, o gestor consegue ter uma noção mais clara do exato valor de mercado de seu negócio.

Qual a importância desse processo?

Ser empreendedor é se dedicar a inúmeras tarefas e se esforçar para que tudo esteja funcionando em harmonia. No entanto, muitos empresários focam na gestão tributária e trabalhista e deixam de lado o controle patrimonial.

Esse é um dos grandes erros que se pode cometer, já que o processo é muito importante para o funcionamento e crescimento do negócio. Além de oferecer mais visibilidade sobre a situação da empresa, o controle patrimonial:

  • confere credibilidade ao negócio;
  • atrai investidores;
  • evita sanções fiscais;
  • prepara o negócio para firmar novas parcerias;
  • garante uma gestão mais eficiente.

Em um mercado cheio de altos e baixos e com uma economia fraca, é fundamental esse acompanhamento rigoroso do patrimônio. Fazendo isso, o gestor tem todas as informações relevantes em mãos e consegue analisar a valorização ou depreciação de seu patrimônio.

Com qual periodicidade ele deve ser feito?

Afinal, qual a periodicidade ideal para se fazer o controle patrimonial? Como o procedimento é importante e traz segurança à empresa, é interessante ter um cronograma e cumpri-lo com rigor.

Se você nunca fez esse balanço de patrimônio, será necessário se dedicar bastante ao primeiro levantamento. É preciso que ele seja completo e não deixe de lado nenhum bem tangível ou intangível da empresa.

No entanto, mesmo que ele tenha sido realizado dentro dos parâmetros de eficiência, é indicado que uma atualização seja realizada a cada ano.

Com isso, podemos concluir que o controle patrimonial deve ser realizado anualmente. Afinal, com o tempo, o empresa adquire novos bens e alguns deles podem sofrer depreciação.

Como manter a gestão do controle patrimonial?

Diante do que foi exposto, é possível afirmar que o controle patrimonial deve fazer parte do seu planejamento empresarial. Lembre-se de que isso é essencial para a sua sobrevivência e o ajuda a tomar as decisões certas no mercado.

A dúvida que fica então é: como manter o controle patrimonial sempre atualizado? Para que isso seja possível, existem algumas estratégias e ferramentas que fazem a diferença. Confira!

Crie um manual de normas e procedimentos

É comum que o quadro de funcionários mude ao longo dos anos. Já imaginou se cada colaborar executar esse processo e salvar os registros de uma forma diferente? Além de não ser eficiente, essa situação gera imprecisões e erros no cálculo do patrimônio.

Por isso, o mais indicado é que você crie um manual de normas e procedimentos que informe como o controle patrimonial deve ser realizado. Dessa maneira, mesmo que todos os funcionários sejam alterados, é mantido um padrão nos registros, transferências e baixas no patrimônio.

Seja claro ao definir os processos

Processos burocráticos nem sempre são tão simples de serem compreendidos. Portanto, a ideia é que você, literalmente, desenhe essas atividades para seus funcionários.

Em outras palavras, a criação de fluxogramas indicando os processos e padrões necessários para a realização das tarefas é uma forma de consolidar o seu manual e facilitar o dia a dia dos responsáveis pelo controle.

Adote técnicas eficientes de mapeamento

A escolha de técnicas de mapeamento é outra dica importante. Destaca-se que isso deve ser feito de acordo com as suas necessidades e quantidade de bens a serem mapeados e catalogados.

Uma boa ideia é identificar os bens com uma numeração única. Desse modo, todos os anos verifica-se a existência e a situação do bem. Quanto ao estoque, deve-se realizar um inventário completo com o auxílio de um software de gestão.

Quais as consequências negativas da falta de controle patrimonial?

Já vimos as vantagens de se dedicar ao controle patrimonial. No entanto, para reforçar ainda mais a necessidade de realizar esse processo, é importante que você compreenda os efeitos negativos de negligenciá-lo.

Afinal, quais problemas sua empresa pode enfrentar devido à falta de gestão patrimonial?

Afeta a precisão do controle fiscal

Quando a gestão do patrimônio não é feita, o gestor não conhece todos os seus bens. Com isso, é possível que algum deles não seja incluído na contabilidade, gerando uma contravenção conhecida como omissão de receita.

No Brasil, a empresa que comete esse erro está sujeita a um processo administrativo perante à Receita Federal, além de multas e juros.

Aumenta o risco de desvios, furtos e desaparecimento de bens

Quem não sabe o que tem, pode nem perceber que está sendo furtado. Essa é mais uma consequência negativa da falta de controle patrimonial.

A falta de informações precisas sobre o patrimônio abre espaço para a atuação de pessoas mal intencionadas e o prejuízo pode demorar bastante para ser identificado.

Erros na avaliação do patrimônio

Quando o empresário decide vender seu negócio, é importante que ele saiba exatamente o valor de seu patrimônio. No entanto, a falta de controle pode fazer com que ele tenha prejuízos durante a transação.

Como é possível observar, o controle patrimonial é um processo de extrema importância para sua empresa. Ignorá-lo pode gerar consequências negativas e dificultar a sua atuação no mercado.

Agora que você leu este material e tirou suas dúvidas sobre o tema, não perca mais tempo. Conheça a sua empresa e o seu patrimônio, esforce-se para ter relatórios e dados atualizados sobre seus bens e, claro, faça isso com o apoio de recursos tecnológicos modernos e eficientes.

Você tem dificuldades em definir o valor total do seu patrimônio? Está com dúvidas sobre as estratégias mais eficientes? Deixe seu comentário logo abaixo. Teremos o prazer em ajudá-lo!