Ao contratar uma empresa de contabilidade, é comum os empresários optarem por deixar terceirizada toda a gestão contábil de suas empresas — muitas vezes, por acharem essa atividade enfadonha e preferirem focar em outros aspectos da gestão empresarial.

No entanto, esse tipo de atitude pode resultar em um gerenciamento falho do negócio. Primeiro porque, por mais que se tenha um escritório de contabilidade para dar suporte à empresa, é responsabilidade do gestor acompanhar essas atividades para descobrir se tudo está sendo feito corretamente. Desse modo, é fundamental entender, pelo menos um pouco, sobre gestão contábil.

O segundo ponto é: quando o empresário conhece o assunto, ele consegue as informações necessárias dos custos e das despesas da empresa e, consequentemente, da rentabilidade do negócio. Além disso, somente com uma boa gestão contábil é possível entender melhor a sua carga tributária, o que permite tomar ações diretivas para a redução de impostos.

Por isso, reunimos no post de hoje pontos importantes sobre o que você precisa saber para não errar na gestão contábil da sua empresa. Confira!

Faça um planejamento adequado do regime tributário

Entender as diferenças dos principais regimes tributários é o primeiro passo para uma boa gestão contábil. Isso porque é importante que se realize uma análise anual dos resultados da empresa, bem como o planejamento para os anos futuros, a fim de descobrir se é vantajosa a troca do regime.

Entre as opções de regime tributário no Brasil, 3 se destacam: o Lucro Real, o Lucro Presumido e o Simples Nacional. Veja abaixo um pouco mais sobre cada um deles.

Lucro Real

Obrigatório para instituições financeiras e factorings, bem como para as que contam com um faturamento superior a R$ 48 milhões por ano, o Lucro Real calcula o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) com base no lucro atingido pela empresa no exercício anual.

Dessa forma, caso a empresa não apresente lucro em 1 ano, pode ser que ela nem precise recolher esses impostos. É por isso que os negócios que optam pelo Lucro Real devem apresentar uma série de controles e declarações adicionais para comprovar que não estão tentando fraudar a Receita Federal.

Lucro presumido

Como o nome indica, o Lucro Presumido calcula o IRPJ e o CSLL baseando-se na estimativa de lucro da empresa, de acordo com o seu tipo de negócio. Dessa forma, é indiferente se ela lucrou mais ou menos durante o exercício — o cálculo do imposto sempre levará em consideração a faixa de tributo pré-definida na qual o negócio está inserido.

As alíquotas são divididas entre diferentes faixas e variam de 8% a 32%. E ainda existem casos específicos, como a revenda de combustíveis e derivados, em que a faixa é de 1,6%.

A grande vantagem desse regime tributário é para o caso de empresas que apresentam lucro acima da média, pois a estimativa faria elas pagarem menos impostos. Entretanto, caso a empresa fature menos do que o esperado, o imposto pago será proporcionalmente mais alto.

Vale ressaltar que tanto no Lucro Real quanto no Lucro Presumido, além do IRPJ e do CSLL, há o recolhimento do Programa Integração Social (PIS), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) e do Imposto Sobre Serviço (ISS).

Simples Nacional

Esse é o regime tributário indicado às Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP), cujos faturamentos são de no máximo R$ 4,8 milhões por ano. Isso porque, como o nome indica, o Simples Nacional simplifica o pagamento de impostos, unindo todos em um único documento de arrecadação, e oferece tabelas especiais de tributação aos empresários.

Fique atento à legislação Municipal, Estadual e Federal

Além da legislação Federal, cada Estado e município tem regras específicas de contabilidade. É por isso que, muitas vezes, as empresas optam pela contratação de escritórios de contabilidade domiciliados no mesmo município de sua atuação, pois eles já conhecem a realidade tributária e fiscal da região.

Portanto, é fundamental agir sempre de acordo com essas legislações específicas. Ações como o recolhimento indevido de impostos, a falta de registro de operações de compra ou venda e a entrega de speds em branco podem resultar em fiscalização e, consequentemente, pesadas multas, principalmente nos casos de reincidência.

Conte com o apoio de especialistas em gestão contábil e fiscal

Com tantas especificidades, o apoio de especialistas em gestão contábil e fiscal é de extrema importância para o auxílio do planejamento de contabilidade da empresa e organização dos processos. Assim, é mais fácil aplicar no dia a dia o que foi planejado.

Outra dica é ter encontros periódicos com o seu contador — pelo menos uma vez por mês seria o ideal. Dessa forma, é possível acompanhar de perto o trabalho que está sendo realizado, além de discutir possíveis ações para melhorar a gestão contábil.

Incorpore a tecnologia à gestão contábil

Na atualidade, é difícil fazer uma boa gestão contábil — e da empresa, em geral — utilizando apenas os antigos livros caixa. A tecnologia facilita e agiliza as rotinas diárias e a tomada de decisão. Além disso, possibilita a obtenção de dados reais da empresa com simplicidade.

Por meio de sistemas que contam com módulos de gestão contábil e fiscal, os colaboradores podem registrar todos os lançamentos da organização, permitindo que os gestores consigam relatórios de períodos específicos para fazer análises. Desse modo, a gestão fica muito mais integrada.

Além de melhorar a organização empresarial, o resultado de todo esse cuidado com a gestão contábil traz uma série de benefícios indiretos para a empresa, como mais facilidade para conseguir crédito para investimento a partir de instituições financeiras.

Por exemplo: é comum que bancos analisem criteriosamente toda a movimentação do negócio, além de avaliar sua saúde financeira nos últimos anos. Por isso, quando se tem tudo muito bem organizado, como em um sistema de gestão, fica mais fácil conseguir os dados necessários para mostrar os resultados da empresa, facilitando a obtenção do crédito.

Agora, reflita sobre a realidade no seu negócio. Você está dando a atenção necessária aos pontos que levantamos? Tem alguma outra dica de como melhorar a gestão contábil e fiscal de uma empresa? Então, gostou? Compartilhe este post.