Você já ouviu falar de neuromarketing? O termo é relativamente recente, mas essa prática é uma das grandes tendências para que empresas conheçam melhor seus consumidores e entendam o que os motiva a tomar a decisão de compra.

Neste post, vamos explicar mais a fundo do que se trata o neuromarketing, como ele pode ser aplicado na prática e de que forma ele contribui para o aumento das vendas. Continue conosco e saiba mais sobre o assunto agora mesmo!

O que é e como funciona o neuromarketing?

Tecnicamente, o neuromarketing é uma área de estudo a respeito de questões básicas da neurociência. O objetivo é obter mais informações a respeito do comportamento dos clientes.

Ele se baseia em análises (físicas e mentais) feitas pela neurociência em diversas pessoas. Com elas, chega-se a conclusões importantes sobre o que afeta as pessoas a ponto de gerar interesse por um produto e até mesmo na hora de decidir comprar.

Trata-se de uma ciência recente, mas que já vem sendo bastante estudada para que se possa entender como o ser humano sente, pensa e toma decisões. Nesse último caso, a ação é feita com base em três gatilhos: a emoção, a razão ou o instinto. Logo, o neuromarketing visa entender como eles são utilizados e influenciam na decisão de compra.

As pesquisas são feitas utilizando várias técnicas que ajudam a monitorar de que forma o cérebro reage a estímulos (cheiro, imagem, texto, entre outros) — e, consequentemente, as reações que uma marca pode provocar com campanhas, por exemplo.

Tudo isso é feito por meio da observação da frequência cardíaca, das ondas cerebrais, do movimento dos olhos, da dilatação das pupilas e das expressões faciais. Analisando os resultados, fica mais fácil entender quais emoções são geradas com cada estímulo — necessidade, desejo, repulsa, entre outros.

Assim, a partir das pesquisas, consegue-se identificar e testar quais estratégias são mais atraentes para o público e têm mais chances de serem bem-sucedidas. Entre as áreas do marketing que podem se beneficiar do neuromarketing, estão:

  • branding (gestão e fortalecimento da marca com os consumidores);
  • inovação e design de produtos;
  • tomada de decisão do consumidor (fator que é crucial para o sucesso de um negócio);
  • publicidade (a fim de torná-la mais efetiva);
  • experiências online.

Como ele pode ser aplicado na prática?

Existem diversas maneiras de aplicar o neuromarketing em uma empresa. Nos próximos tópicos, explicaremos algumas delas.

Contato visual com anúncios

Diz respeito a estratégias que ajudam a direcionar a atenção dos consumidores para os produtos. Com o foco voltado para os anúncios (sem elementos que podem causar distração), existem mais chances de o cliente absorver a mensagem transmitida.

Utilização de cores

A psicologia das cores consiste em um estudo voltado para entender como as cores afetam a maneira como o cliente se sente. Cada uma delas está ligada a uma emoção e ajuda a transmitir uma mensagem.

Isso significa que escolher uma cor (para um anúncio, por exemplo) que não esteja relacionada à sensação que se deseja passar pode causar conflito no humor do público e até mesmo gerar o efeito contrário.

Criação de títulos para as campanhas

Os títulos têm um papel fundamental para atrair a atenção do público, uma vez que eles são uma das primeiras coisas a serem notadas. Isso quer dizer que é crucial que eles sejam bem elaborados e consigam despertar a atenção do consumidor para a mensagem que será passada.

Storytelling

Storytelling consiste na estratégia de contar histórias (como o nome sugere) em campanhas e qualquer outra forma de comunicação com o consumidor. De acordo com o neuromarketing, essa técnica ajuda a tornar o público mais engajado, já que existe todo um contexto por trás de um produto, por exemplo.

Isso pode ajudar a gerar uma identificação ainda maior com a marca, tornando o relacionamento mais próximo e aumentando as chances de seus clientes se tornarem fiéis à marca e os maiores divulgadores dela.

Porém, é preciso ter o cuidado de contar histórias verdadeiras. Se seus colaboradores ou clientes sabem que na prática não acontece o que é dito, a estratégia pode ter o resultado contrário e prejudicar a credibilidade da empresa no mercado.

De que forma o neuromarketing contribui para aumentar as vendas?

Como visto até aqui, o neuromarketing ajuda a entender, cada vez mais, o comportamento dos consumidores e o que ajuda a aumentar a eficácia dos estímulos direcionados a eles. Isso, por si, já é um grande passo para alavancar as vendas. A seguir, falaremos mais sobre o assunto.

Campanhas mais acertadas

Utilizar os estudos de neuromarketing antes de criar campanhas (ou lançar produtos) é essencial para entender alguns fatores críticos para o sucesso. Dessa forma, se uma análise prévia mostrar que o público não tem interesse ou pode não aceitar determinada forma de comunicação, pode-se realizar correções a tempo.

Assim, as campanhas podem ser lançadas com base no que é mais atrativo, na opinião dos consumidores, e ter uma chance maior se serem bem-sucedidas.

Maior objetividade na relação com o consumidor

O neuromarketing busca,  alcançar a objetividade na análise do comportamento e perfil dos consumidores — indo além dos métodos tradicionais que, normalmente, consideram fatores mais subjetivos e que podem induzir ao erro.

Sendo assim, o estudo ajuda a traduzir questões mais complexas, ligadas à emoção, memória e bem-estar, entre outras. Com isso, as campanhas e todo o trabalho voltado para o público-alvo se torna mais objetivo (e com maior assertividade).

Aposta na inovação

Como dito, o neuromarketing é uma ciência nova. Isso quer dizer que as empresas que apostam nessa estratégia podem sair na frente da concorrência e desenvolver uma comunicação totalmente pautada na inovação.

Entender melhor seus consumidores em potencial e o que os leva a comprar é o ponto-chave para conseguir desenvolver campanhas e promoções mais eficazes, que contribuem para alavancar as vendas. Para isso, pode-se contar com o neuromarketing, visto que ele ajuda na compreensão de como o público pensa, sente e age em relação a uma empresa e seus produtos.

O que achou do artigo? Suas dúvidas sobre o tema foram esclarecidas? Então, compartilhe o post em suas redes sociais e leve os conhecimentos sobre o neuromarketing para mais pessoas!