Com a exigência cada vez maior dos consumidores em todas as áreas, oferecer produtos de boa qualidade, preços atraentes e grande variedade de itens passou a ser obrigação de quem deseja se manter competitivo no mercado.

Porém, como se destacar em meio a tantos concorrentes e conseguir alavancar as vendas? Para isso, muitas empresas têm adotado o marketing sensorial. Neste post, vamos explicar o conceito, como ele funciona, sua importância e como pode ser aplicado no varejo.

Ficou interessado pelo assunto e quer adotar um diferencial na sua loja? Então, continue a leitura e confira agora mesmo como fazer isso!

O que é e como funciona o marketing sensorial?

O marketing sensorial trabalha com os sentidos do público e tem como objetivo o aumento das vendas. Na prática, isso envolve desde a utilização de embalagens com design criativo (atraindo a visão dos clientes) até a exploração de emoções e memórias por meio do olfato.

Independentemente do ramo de atuação da empresa, a ideia do marketing sensorial é atrair os consumidores — principalmente do comércio varejista — de uma forma menos tradicional, utilizando estratégias com a prioridade de chamar a atenção dos clientes por meio dos cinco sentidos.

Entenda nos próximos tópicos o papel de cada um deles e como explorá-los.

Tato

Existem muitas situações em que os clientes gostam de tocar os produtos para sentir o material, testar as funcionalidades, avaliar a qualidade, entre outras coisas. Bons exemplos de como isso ocorre na prática é na venda de eletrônicos (como celulares) e de roupas.

Por isso, é interessante adotar uma estratégia em que os consumidores possam entrar em contato com os itens antes mesmo de serem provados e comprados. Deixar variedades à mostra é um excelente recurso para que o público conheça melhor os produtos.

Outra forma de utilizar o tato é investindo em algumas tendências do mercado, como telas interativas ou mesas de touch screen. Para utilizar esse tipo de recurso, é possível criar um teste capaz de indicar o produto mais adequado para o cliente (de acordo com as respostas oferecidas).

Imagine saber exatamente qual vinho escolher com base no cardápio que deseja servir em um jantar, por exemplo?

Visão

Considerado um dos sentidos mais utilizados pelo marketing, a visão é explorada por meio de propagandas, designe dos produtos, criatividade nas logos e qualquer outra forma visual para chamar a atenção do público

Dentro do marketing sensorial, esse sentido está relacionado ao modo como os produtos são expostos nos pontos de venda. As gôndolas desorganizadas ou com produtos em falta em um supermercado, por exemplo, podem prejudicar a experiência visual do consumidor.

Outro ponto que deve ser levado em consideração é a criatividade na hora de dispor os produtos. Arrumá-los de forma diferenciada pode aguçar a curiosidade dos clientes e prender a atenção por mais tempo, aumentando as chances de venda.

Os grandes mercados já estão investindo nessa estratégia em seus pontos de venda (PDVs), que providenciam também mudanças na iluminação, decoração, disposição dos cenários e até mesmo buscando mais harmonia nas mobílias do ambiente.

Olfato

Uma das formas mais tradicionais de tirar proveito do marketing olfativo é utilizando aromatizantes nos pontos de vendas. Procure por aromas que combinem com o segmento da sua loja e que tragam memórias olfativas aos clientes. Já notou como alguns calçados têm um cheiro próprio e característico? Ou como o cheiro de café recém passado pode despertar o desejo no consumidor?

Além de deixar o ambiente mais agradável, a estratégia desperta emoções positivas aos frequentadores do estabelecimento, que ficam mais propensos a finalizar a compra de algum produto.

Audição

Outra maneira de atingir os sentidos dos consumidores no PVD é por meio do marketing auditivo. Combinar trilhas sonoras com o contexto da marca podem influenciar no momento de compra dos cliente, já que o som tem um impacto direto no humor do público.

Mas é preciso tomar cuidado ao adotar essa estratégia. A consequência pode ser positiva ou negativa e tudo depende de como os efeitos sonoros são usados. Por isso, é importante utilizar músicas e sons o mais compatíveis possível com o perfil dos frequentadores do estabelecimento.

Paladar

Outro fator que estimula diretamente os clientes — tanto para o lado positivo quanto negativo — é o paladar. Degustações de comidas e bebidas agradáveis fazem com que as pessoas se tornem mais receptíveis aos demais estímulos sensoriais.

Fora isso, a fome é um dos principais aliados do mau humor e o maior motivo de as pessoas saírem em busca de um estabelecimento que ofereça alimentos, como supermercados. Isso torna ainda mais viável o investimento em degustações dos alimentos que estão sendo vendidos na loja.

Outra boa dica é distribuir pela empresa pontos que ofereçam água, café, balinhas e outros “mimos” aos clientes, fazendo com que passem mais tempo em sua loja e, consequentemente, comprem mais.

Por que marketing sensorial é tão importante para as empresas?

Por sermos guiados por nossos sentidos, a maioria das sensações que experimentamos são processadas sem a interferência da consciência — podendo até nos enganar de vez em quando. Ou seja, você pode fazer associações, acessar memórias e até mesmo tomar decisões sem que isso seja feito de forma planejada.

Assim, apostar no marketing sensorial é sinônimo de oferecer diferentes experiências para o público. Se bem adotada, a estratégia ajuda a criar uma relação mais próxima dos consumidores — justamente por oferecer sensações variadas —, o que ajuda a tornar o seu estabelecimento uma das principais opções na hora de uma compra.

Qual a sua influência no varejo? Como ele pode ser aplicado?

Existem várias formas de utilizar o marketing sensorial com sucesso no varejo. A seguir, apresentaremos alguns exemplos de como explorar essa estratégia, criando experiências mais significativas e cativando ainda mais os consumidores. Vamos a eles:

Explore o lado emocional

O primeiro passo que deve ser dado para se fazer bom uso do marketing sensorial é entender o que cativa os seus clientes emocionalmente. Quanto mais próximo dos medos, anseios e desejos do consumidor uma marca conseguir chegar, mais fácil será convencer o público da necessidade do produto ou de comprar na sua loja.

Pesquise e use a inteligência de negócios para determinar os esforços que devem ser feitos no processo de conhecimento do público, evitando erros comuns, como atingir apenas um dos sentidos ou atingindo os sentidos errados.

Conheça as iniciativas de outras marcas

Procure ideias que deram certo em outros estabelecimentos e use como inspiração para planejar a sua estratégia. Várias empresas de diferentes setores ao redor do mundo já fazem uso de marketing sensorial, e pesquisar por elas pode ajudar a desenvolver técnicas mais eficazes.

Lembre-se do tato

É bem provável que esse seja um dos sentidos mais difíceis de ser estimulado, exigindo um esforço maior para se obter sucesso. Por isso, é de grande importância criar uma abordagem mais completa e bastante interativa com o consumidor.

Explore as texturas e aposte na qualidade dos produtos e das embalagens que sua loja oferece, para que os clientes tenham uma experiência agradável e associem sua marca a um momento prazeroso.

Agora que você já entende como funciona o marketing sensorial, ficou muito mais fácil saber como implementar essa ideia na sua empresa e tirar proveito de um dos procedimentos que mais têm trazido sucesso às empresas atualmente, não é mesmo?

Gostou do que aprendeu? Então, compartilhe este artigo em suas redes sociais e permita que mais pessoas tenham acesso a esse conteúdo!