Pesquisar
Close this search box.

Economia circular: entenda a importância para o varejo

Nos últimos anos houve uma transformação significativa no comportamento do consumidor e ela está ligada a uma crescente preocupação com a sustentabilidade. Este movimento tem impulsionado uma mudança no mercado de varejo, direcionando as empresas para práticas mais sustentáveis e éticas. Dessa forma, a economia circular surge como um conceito chave nesse cenário, representando não apenas uma tendência, mas até uma certa necessidade para as empresas de varejo.

Para quem nunca ouviu falar no termo, economia circular é um modelo econômico que se opõe ao modelo linear tradicional. O modelo linear segue a lógica de “extrair, fabricar, usar e descartar”. Nele, os recursos são extraídos, transformados em produtos, usados até o fim de sua vida útil e então descartados como lixo.

Em contraste, a economia circular busca reduzir o desperdício ao mínimo e manter os recursos em uso pelo maior tempo possível. Isso é feito através de práticas como reciclagem, reutilização, reparo e remanufatura. O objetivo é criar um ciclo fechado de produção e consumo, onde os produtos são desenhados para serem duráveis, fáceis de reparar e reciclar, e onde os resíduos são vistos como recursos para novos produtos.

Isso traz benefícios ambientais, como a redução da poluição e do uso de recursos naturais, e também vantagens econômicas, como a criação de novos mercados e empregos. O mercado de ESG — sigla em inglês para Environmental, Social and Governance — que o diga. E por conta desses aspectos, a economia circular é frequentemente associada a conceitos como sustentabilidade e desenvolvimento sustentável.

Economia circular no varejo

Cada vez mais, os consumidores estão repensando seus hábitos de consumo. A busca por produtos sustentáveis ou que respeitem a sustentabilidade em suas cadeias produtivas tornou-se um fator decisivo de compra. Esse público valoriza empresas que demonstram compromisso com o meio ambiente e com práticas sociais responsáveis. Assim, o varejo, como elo final entre produto e consumidor, está sendo compelido a adaptar-se a essas novas demandas.

A economia circular representa uma estratégia vital para o varejo adaptar-se a essas novas exigências do mercado. Como explicamos, esse modelo econômico enfoca a redução de desperdícios, a reutilização de recursos e a maximização da vida útil dos produtos. Para o varejo, isso significa não apenas alinhar-se com os valores dos consumidores, mas também encontrar oportunidades de inovar e até conseguir mais eficiência. Há várias formas de fazer isso. Eis alguns exemplos fáceis de serem implementados e que contribuem com a economia circular:

  • Programas de retorno e reciclagem: estabelecer programas em que os clientes possam retornar produtos usados para reciclagem ou reutilização. Por exemplo, lojas de roupas podem aceitar peças antigas e oferecer descontos em novas compras.
  • Revenda de produtos usados: criar seções para venda de produtos usados, recondicionados ou restaurados, especialmente para eletrônicos, móveis e roupas.
  • Serviços de reparo e manutenção: oferecer serviços de reparo para produtos como eletrônicos, eletrodomésticos e vestuário, incentivando os consumidores a consertar em vez de descartar.
  • Aluguel e assinaturas: implementar modelos de aluguel ou assinatura para produtos duráveis, como ferramentas, equipamentos esportivos e até vestuário.
  • Design sustentável: incentivar fornecedores a projetar produtos que sejam fáceis de desmontar, reparar, reutilizar ou reciclar.
  • Embalagens ecológicas: reduzir o uso de embalagens ou optar por embalagens biodegradáveis, recicláveis ou reutilizáveis.
  • Educação do consumidor: realizar campanhas educativas para informar os clientes sobre sustentabilidade e como podem contribuir para um consumo mais responsável.
  • Parcerias com empresas de reciclagem: colaborar com empresas locais de reciclagem para garantir que os resíduos sejam processados de maneira adequada e eficiente.
  • Iniciativas de sustentabilidade na loja: implementar práticas sustentáveis nas lojas, como uso de energia renovável, sistemas eficientes de iluminação e aquecimento, e redução de resíduos.
  • Transparência na cadeia de suprimentos: assegurar que os fornecedores sigam práticas sustentáveis e éticas, e comunicar isso claramente aos consumidores.
  • Certificações ambientais: obter certificações para produtos e práticas sustentáveis, como o selo FSC para produtos de madeira ou certificações orgânicas para alimentos.
  • Avaliação de impacto ambiental: realizar avaliações regulares do impacto ambiental das operações e trabalhar continuamente para reduzir esse impacto.

Seja parte da economia circular

A adoção da economia circular no varejo não é apenas uma resposta às crescentes demandas por práticas sustentáveis, mas também uma oportunidade para inovar, criar valor e contribuir para um futuro mais sustentável. Ao repensar os métodos de produção, consumo e descarte, os varejistas podem minimizar impactos ambientais ao mesmo tempo em que atendem às expectativas dos consumidores.

Começar pode ser tão simples quanto implementar um programa de reciclagem na loja ou escolher fornecedores que priorizam materiais sustentáveis. No fundo, economia circular é refletir sobre escolhas e implementar mudanças que, de forma geral, beneficiem as pessoas e o ambiente ao redor. É promover ações práticas alinhadas aos ideais de sustentabilidade que os consumidores parecem valorizar cada vez mais.

E se você gostou desse conteúdo, aproveite para ler também sobre o comportamento do consumidor e as tendências para 2024.

Pesquise no blog da CISS
Pesquisar
Artigos recentes​
Inscreva-se

Quer receber dicas de gestão exclusivas gratuitamente?

Para saber mais sobre como a CISS coleta, utiliza, compartilha e protege seus dados pessoais, leia a Política de Privacidade da CISS.

Compartilhe:
Você poderá gostar também: