Segundo dados divulgados pela Pesquisa Febraban (Federação Brasileira de Bancos) em uma parceria com a Deloitte, levando em conta transferências por TED e DOC e pagamentos feitos via máquina, as transações pelo PIX já representavam 30%, em junho deste ano, de todas as operações realizadas por pessoas jurídicas e físicas no país.

Uma iniciativa do Banco Central (BC) — uma inovação conhecida como Open Banking —, o PIX foi lançado no final do ano de 2020. Agora, no entanto, duas novas modalidades foram disponibilizadas: PIX Saque e PIX Troco.

Quer entender mais sobre ambas, compreender como funcionarão e, principalmente, por que é conveniente oferecê-las no seu supermercado e quais são os cuidados necessários para fazê-lo? Confira essas e outras informações igualmente relevantes nas próximas linhas!

O que são PIX Saque e PIX Troco?

Como brevemente mencionado, essas são as duas novas modalidades regulamentadas pelo Banco Central no mês de setembro de 2021. Por meio delas, desde o dia 29 de novembro, os clientes do sistema podem tanto sacar quanto receber trocos em dinheiro nos estabelecimentos comerciais e em instituições afins.

Segundo o próprio diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, “O propósito do BC é aumentar a capilaridade de pontos de retirada de recursos em espécie aos usuários finais do PIX, além de promover o aumento da eficiência nos serviços de saque por meio da redução de custos e de melhorias nas condições de oferta e de precificação”.

Como as novas modalidades funcionam?

Em se tratando do PIX Saque, agora, passa a ser possível que um cliente, ao chegar ao caixa de um estabelecimento comercial faça um PIX destinado ao local, seja por meio do app do banco no qual mantém uma conta, seja apenas apontando a câmera do seu smartphone para um QR Code. A partir disso, a quantia a ser sacada será transferida — por meio do PIX — para o agente da operação, que pegará o valor em dinheiro e entregará ao cliente.

Referindo-se à modalidade, o próprio BC pontua que o PIX Saque possibilitará que todo cliente de qualquer participante do PIX efetue saques nos pontos que oferecem o serviço. Redes de caixas eletrônicos (ATMs), estabelecimentos comerciais e os próprios participantes do sistema, por meio de ATMs próprios, terão a oportunidade de disponibilizar o serviço.

No caso do PIX Troco, a dinâmica é bastante similar àquela da modalidade anterior. A única distinção é que o saque da quantia pode ser atrelado a uma compra realizada no estabelecimento. Para facilitar a compreensão, como exemplo, podemos imaginar que um consumidor paga, por meio do PIX, R$ 150 por uma mercadoria que, na verdade, custa apenas R$ 100. Então, além do produto, ele recebe a diferença — nesse caso, de R$ 50 — em dinheiro.

Isso elimina a necessidade de se deslocar até outro local para sacar o valor. Entretanto, no intuito de evitar quaisquer inconvenientes, o comprovante ou o extrato indicarão os valores correspondentes ao serviço ou ao produto adquirido e ao saque.

Os limites das transações

Um ponto muito importante a ser destacado, contudo, é que há limites máximos tanto para as transações do PIX Saque quanto para as do PIX Troco. Durante o dia, esse limite é de R$ 500. Já no período noturno, compreendendo das 20h às 6h, o valor máximo é de R$ 100. Além disso, existem limites por saque para os usuários.

Contudo, é igualmente válido destacar que os próprios empreendimentos poderão estabelecer limites mais baixos, baseando-se, para tanto, na localização do estabelecimento, no perfil do cliente, no horário em que a operação é feita e em outros critérios de segurança. Ademais, é viável que também haja uma definição quanto aos horários em que os serviços serão ofertados e quanto às notas que serão disponibilizadas para o PIX Saque e o PIX Troco.

De que forma os estabelecimentos poderão disponibilizar as modalidades PIX Saque e PIX Troco?

Inicialmente, é importante saber que não há nenhuma obrigatoriedade por parte do comerciante quanto à oferta dos serviços. Ou seja, ainda que ele disponibilize o PIX como um meio de pagamento, não necessariamente precisa aderir ao PIX Saque e/ou ao PIX Troco.

Além disso, é viável disponibilizar apenas uma das modalidades, se assim o empreendedor entender mais conveniente. Dessa forma, por exemplo, ele pode condicionar a disponibilização do serviço a uma compra no local, caso opte por oferecer apenas o PIX Troco.

Entretanto, no caso do PIX Saque, o consumidor poderá ir até o negócio somente para retirar a quantia desejada. Apenas é importante ter em mente que, em caso de aderência aos serviços, os estabelecimentos precisarão oferecê-los a todos os clientes que têm conta em uma instituição participante do sistema PIX.

Os empreendimentos que estiverem interessados em disponibilizar uma das modalidades — ou ambas — precisam procurar a instituição financeira que os atende e solicitar a adoção do sistema. Segundo o Banco Central, apenas é necessário fazer um ajuste contratual para viabilizar a oferta dos serviços.

É previsto, porém, que os comerciantes tenham de despender alguns recursos para a implementação, custeando, por exemplo, o treinamento da equipe de atendentes e a adaptação dos sistemas. Por outro lado, como uma forma de compensação, eles receberão uma tarifa que varia de R$ 0,25 a R$ 0,95 por transação, a depender da negociação com a instituição financeira — que, nesse caso, cobrirá esse valor.

Quais cuidados devem ser tomados e quais são as vantagens de disponibilizar as modalidades no estabelecimento?

O PIX Saque e o PIX Troco seguirão, basicamente, o mesmo modelo de segurança atualmente adotado pelo BC em relação ao PIX, que tem se mostrado bastante eficiente. Como os dados passam pela verificação do Banco Central, torna-se mais fácil rastrear as transações e evitar quaisquer fraudes.

Entretanto, em se tratando das finanças do seu negócio, quanto mais segurança, melhor. Logo, é recomendável que sejam adotadas soluções que têm por intuito elevar o nível de segurança das transações por PIX. A principal delas é o Certificado Digital SSL, que é empregado para confirmar a identidade do usuário, evitando contratempos e transações que não estejam autorizadas.

Já no que tange aos benefícios dos quais um empreendimento — como um supermercado — pode desfrutar, além das tarifas, há que se considerar que a disponibilização de PIX Saque e PIX Troco pode envolver outras vantagens, como:

  • a atração de novos clientes, afinal, muitas pessoas provavelmente entrarão no seu supermercado com o intuito de efetuar um saque, mas realizarão alguma compra e, inclusive, podem retornar outras vezes, o que abre portas para a elevação do número de vendas;
  • a diminuição de custos, pois será viável receber uma quantidade maior de pagamentos digitais, fazendo o dinheiro no caixa circular. Desse modo, possivelmente os gastos com o gerenciamento do numerário serão reduzidos.

Entendeu como PIX Saque e PIX Troco, ao serem adotados no seu estabelecimento, podem trazer benefícios, além de não representarem um risco, já que há diversas medidas de segurança, como os próprios limites de valores e de horários e a possibilidade de utilizar o Certificado Digital SSL para evitar inconvenientes? Então, agora que você já conhece mais sobre ambas as modalidades, que tal buscar a sua instituição financeira para aderir a elas e desfrutar das vantagens mencionadas?

Este post foi útil? Pois aproveite para compartilhá-lo nas suas redes sociais e disseminar essas informações detalhadas sobre as novas modalidades do sistema PIX que foram recentemente lançadas!

Compartilhar